Atividades E RESULTADOS

 

ATIVIDADES E RESULTADOS

Em 2008 ocorreram dois encontros com os 9 países ibero-americanos que integravam a Rede IBERMAR naquele momento. Ocorreram também, diversas atividades associadas a esses encontros.

Após estes encontros, decidiu-se realizar ao menos um encontro anual entre todos os coordenadores que participaram da Reunião de Coordenação da Rede Ibero-americana de Manejo Costeiro Integrado. Aproveitando estes encontros e a disponibilidade de especialistas e profissionais do Manejo Costeiro Integrado (MCI) de vários países ibero-americanos, decidiu-se realizar os Seminários Ibero-americanos de Manejo Costeiro Integrado. O primeiro Seminário foi realizado em Cádiz, em 2008, e quatro anos depois, em janeiro de 2012, se transformou no I Congresso Ibero-americano de Gestão Integrada de Áreas Litorâneas, também realizado em Cádiz.

Além dos encontros e atividades formativas desenvolvidas, os membros da Rede realizam pesquisas conjuntas, cujos resultados podem ser consultados na seção de Publicação. Também realizam ações de coordenação, cooperação e colaboração interinstitucional, como as relações interuniversitárias em termos de pesquisa e formação superior.

Os grupos de cada país colaboram na elaboração de uma relação de contatos com os principais agentes e instituições costeiras de suas regiões, com a finalidade de difundir os resultados alcançados para obter o vínculo necessário entre a ciência e a gestão. Esse diretório ainda serve para criar ou fortalecer redes internacionais de gestão costeira, que estão envolvidas com os agentes do processo de criação de ferramentas de gestão, para que se possa orientar a investigação e as necessidades reais do gestor.

Toda esta atividade de investigação é divulgada, entre outros meios, em um sítio virtual que possui um canal de notícias, uma biblioteca eletrônica ibero-americana, uma lista de contatos, publicação de atas e boletim eletrônico da IBERMAR.

Como marco relevante, cabe destacar a elaboração e apresentação em 2012 à SEGIB (Secretaria Geral Ibero-americana) da proposta de criação do Programa Ibero-americano de Cooperação e Transferência Científica e Tecnologia em Manejo Costeiro Integrado, coincidindo com a Cúpula Ibero-Americana de Chefes de Estado. Pode-se consultar a publicação na página web.

RESULTADOS

O trabalho que está sendo desenvolvido e os produtos da Rede serão difundidos ativamente, especialmente entre gestores públicos com responsabilidades institucionais no litoral. Para tanto, está previsto a elaboração e atualização contínua da página web, como suporte de comunicação e difusão da IBERMAR.

Também será elaborada uma lista de distribuição e um boletim eletrônico onde se publicarão os principais resultados derivados das reuniões internacionais previstas. Também serão difundidos artigos científicos, notícias, experiências de boas práticas, assim como comunicações que incrementem a coesão regional dos atores ibero-americanos vinculados com o MCI. Serão elaboradas ao menos doze publicações, das quais nove corresponderão às análises propositivas da situação do MCI em cada país associado, outra a uma análise da situação Ibero-americana, e pelo menos duas corresponderão a dois textos aprovados dos Planos Piloto de gestão costeira. As publicações, a página web, o boletim eletrônico, o uso ativo dos canais de comunicação próprios das instituições, assim como os meios convocados nas reuniões, cobrirão espaços que vão desde âmbitos nacionais a internacionais, e garantirão uma difusão muito ampla dos resultados obtidos pela Rede.

Todo o conhecimento apropriado nesse processo interativo regional, será sujeito de difusão ativa mediante publicações, oficinas e seminários que, progressivamente, ocorrerão nos países dos grupos/países, que contarão, além disso, com representantes dos diferentes agentes implicados. Estas oficinas propiciarão, além disso, a aproximação necessária entre pesquisadores e gestores públicos, entre ciência e sociedade, assim como a criação/fortalecimento de redes nacionais de MCI.

A Rede irá promover o desenvolvimento de processos de planejamento de pesquisas de ação participativa para os ambientes costeiros muito limitados, como cenários piloto para áreas contrastantes, demonstrando assim os benefícios ambientais e socioeconômicos da abordagem do MCI.